Isolamento na Pandemia: Veja o que ele provocou nas Pessoas.

0
106
O que o isolamento social na pandemia provou nas pessoas

O isolamento na pandemia, onde as pessoas são impedidas de participar de atividades sociais em grupo como trabalho e entretenimento, chegou pegando a maioria das pessoas de surpresa exigindo novos modos de ser, sentir, agir, se relacionar e se comportar, provocando grande apreensão, insegurança e mal estar. Como a virose não tem vacina nem medicamento, a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é o isolamento social, higiene, uso de máscara. Decreto determinando o isolamento social, o fechamento de comércio e estabelecimentos cujas atividades exigem contato muito próximo entre as pessoas e aglomerações como shopping, academias, cinemas, colégios, escolas, faculdades, estádios de futebol, clubes de recreio, festas, shows, cultos religiosos foi assinado provocando, em princípio, grande apreensão e mal estar na população.

Exceção à supermercados, drogarias, panificadoras, casas lotéricas e outros serviços essenciais. Enquanto isso estudos para flexibilizar a liberação do funcionamento das empresas em geral de acordo com uma escala de horário a ser cumprido, foram iniciados.

A MELHOR MUDANÇA

Não tínhamos noção exata do que seria viver em confinamento nem os traumas e stress, ou benefícios que ele poderia causar. Um benefício extremamente importante foi a mudança da direção do olhar para o mundo interior, possibilitou um autoconhecimento, identificação, avaliação e mudanças na sua forma de ser com reflexo positivo na qualidade do atendimento de clientes pelos vendedores.

O isolamento provocado pelo surgimento da Pandemia se constituiu numa reviravolta na vida das pessoas na medida em que os hábitos, antes rotineiros, foram colocados de lado, cedendo espaços aos novos.

Tínhamos conhecimento de que, a exemplo do que estava ocorrendo em outros países, o isolamento não era passageiro podendo atingir de 60 a 90 dias.

Imaginar viver longos 90 dias em confinamento onde quase tudo seria diferente e com grande ociosidade, exigiria de cada pessoa ou família muita disciplina e no mínimo, um pequeno planejamento.

PLANEJAMENTO PARA ENFRENTAR O ISOLAMENTO

O planejamento poderia ser uma lista das atividades auto selecionadas, cada um levando em conta suas conveniências e atividades a serem colocadas em prática no período, como por exemplo:

1 – Organizar e fazer uma limpeza nos livros

2 – Separar os livros que passariam pela releitura: bíblia, clássicos da literatura mundial como Odisseia de Homero do século 8 a.C.; A Divina Comédia, 1321 de Dante Alighieri; Decamerão, 1353 de Giovanni Boccaccio época em que a Itália sofria com a disseminação da peste negra; Dom Casmurro, 1889, Machado de Assis…

Ler algum livro sobre a pessoa como indivíduo (Psicologia) e como participante de um grupo social (Sociologia)…

3 – Conversar mais com as pessoas da família

4 – Conversar mais consigo mesmo.

5 – Escrever algum texto.

6 – Rever filmes clássicos como Romeu e Julieta, e o vento levou, Anastásia…

7 – Cuidar melhor do cão, do gatinho e dos pássaros.

 8 – Interagir com um instrumento musical.

Cada um fazendo sua lista.

Pensei em tudo isso. Ganhei um violão, fiz diversas tentativas, mas acho que faltou mais dedicação. Assim só aprendi o trivial. Agora com o confinamento, visualizei a oportunidade de avançar.

Lembrei-me da entrevista do famoso violonista Dilermando Reis em que o repórter perguntou para Ele, após interpretar “a marcha do marinheiro”, o que era preciso para tocar bem o violão.

Ele respondeu:

-” três coisas:

  1. Ter um violão
  2. Gostar do violão
  3. Fazer o violão gostar de você.”

Ora, eu tinha o violão esquecido em um canto só faltava gostar do violão e fazer o violão gostar de mim.

Primeira coisa que eu fiz foi visitar o Zezé Alegria, um expert em violão que colou e parafusou o cavalete e dois dias depois colocou novo encordoamento, mais leve, afinou, deu uma limpeza geral e de sobra me deu uma aula sobre impostação de voz, harmonia e melodia pois, segundo Ele, eu estava devendo nessas áreas.

Com muito tempo disponível, direcionei meu foco para o violão. Treino, treino, muito treino, leitura sobre impostação de voz, harmonia e melodia.

No último domingo após cozinhar um franguinho na panela, limpei e abasteci os comedouros dos pássaros e os bebedouros e a seguir peguei o violão e comecei a cantar, “É preciso saber viver”, “Porto solidão”. “Solidão de amigos” Epitáfio e “Coimbra”, procurando nasalar a voz e esquecer um pouco o isolamento.

Meu pecado é ficar um pouco preso às cifras e segurar a voz. Mas procurei cantar naturalmente e colocar a voz nasalada.

O professor Joaquim José Vidal sempre costumava dizer: “Qualquer cantorzinho que tiver uma boa laringe e treinar uma voz nasalada pode cantar bem e ser considerado um bom cantor”.

Enquanto eu cantava no jardim, os pássaros começaram a trilar e a se aproximar dos comedouros. Não sei se por causa da mistura, da música ou dos dois.

Veja artigo sobre pássaro: “PÁSSARO: SOLTO OU NA GAIOLA?” .

De repente veio a pergunta: “você toca desde jovem?” Não, eu respondi. Comecei já velho. Aí me lembrei de um estudo que constatou que as maiores criações, invenções e descobertas científicas da humanidade foram feitas por homens com idade acima de 60 anos. Qualquer idade é idade para aprender, criar e produzir.

CRESCENDO COM O ISOLAMENTO

Assim, com o isolamento veio um crescimento no violão, na redação de alguns artigos, na análise de alguns clássicos do cinema, na leitura de alguns livros, evolução como ser humano no aumento da curva de conhecimento e aprendizado em conviver na adversidade.

Acredito no que diz a música do Lulu Santos “tudo passa, tudo um dia passará…como uma onda no mar.” Só há uma diferença: As coisas boas passam mais rapidamente. A coisas más demoram mais a passar. Mas sempre passam.

PROBLEMA COMPLEXO X SOLUÇÃO

A solução de problema complexo depende do empenho de todos, em especial dos que estão no ápice da pirâmide de Maslow e detêm o poder de decisão, em buscar o entendimento e em priorizar o bem estar do povo.

É como diz o professor Edgard de Vasconcelos Barros da Universidade Federal de Viçosa (UFV) em seu livro Sociologia Rural página 260. “O problema de bem estar social é sem dúvida um dos mais complexos e para resolvê-lo somos obrigados a envolver os maiores especialistas no assunto, E o pior é que há entre eles a tendência natural a superestimar o campo de suas especialidades, no tocante a solução do problema.

1 – Para o Médico, bem estar é questão de saúde.

2 – Para o economista é questão de renda, emprego.

3 – Para o jurista é questão de direito.

4 – Para a nutricionista é questão de nutrição.

5 – Para o educador é questão de educação.

6 – Na realidade o problema de bem estar é tudo isso ao mesmo tempo.”

Segundo ainda o professor “são necessários esforços e ações inter-relacionadas, interatuantes e interdependentes, na busca do entendimento e soluções sob pena da ocorrência constante de fortes desentendimentos, desarmonia e debandada com prejuízo para quem já vive há séculos penalizados: o povo.

Segundo Albert Einstein, “sem crise não há méritos. É na crise que aflora o melhor de cada um, porque sem crise todo vento é uma carícia. Falar na crise é promovê-la, e calar-se na crise e exaltar o conformismo. Em vez disto trabalhemos duro, vamos correr atrás. Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la.

O Dr. Belmiro D`Árce recomenda

1°) Não desamine e proteja sua imunidade.

2°) Procure consumir alimentos que fortalecem seu corpo e evite alimentos nocivos. Dê ao seu corpo o que contribui para aumentar a sua imunidade e evite tudo que prejudica os verdadeiros alimentos são, principalmente, legumes, verduras e, frutas.

3°) Especiarias como o açafrão, manjericão alho, cebola são alimentos que funcionam como verdadeiros medicamentos.

4º) Água filtrada ou de coco em abundancia. 35 ml/kg dia mesmo sem sentir sede.

5°) Banho de sol pelo menos 15 minutos por dia, entre 8:00 às 10:00 horas ou das 15:00 às 17 horas. Onde entra o sol sai a doença.

6°) Passar mais tempo ao ar livre para respirar o ar mais puro

7°) fazer exercícios físicos mesmo em casa.

8°) Dormir pelo menos oito horas por dia.

9°) Procurar um lazer e uma vida alegre, lúdica e fugir do envelhecimento mental. Se envolver com coisas e pessoas positivas e fugir de coisas que só contribuem para aumentar sua tensão. Priorize seu bem estar.

10°) Evitar o açúcar, o doce, as guloseimas, o excesso de amido, massas, tudo que vai dar origem ao açúcar, produtos industrializados. Todos esses produtos criam no corpo um ambiente propício para multiplicação dos vírus, bactérias, fungos e ainda prejudicam a imunidade. Não descuide da Higiene, limpeza, uso de máscara e pratique o distanciamento social.”

Quanto ao povo é necessário ficar atento, saber escolher e lutar sempre, para impedir o triunfo das nulidades, a prosperidade da desonra, o crescimento da injustiça, o agigantamento dos poderes nas mãos dos maus…como já dizia Rui Barbosa.

Artigo anteriorMICROBIOTA OU MICROBIOMA
Próximo artigoImprevisibilidade do Comportamento Humano
O Blog meu pet saudável foi criado pelo Médico Veterinário Aloízio Apoliano Cardozo, M.S. pela U.F.V. MG, pós graduação em Clínica Médica Cirúrgica de Pequenos Animais pela Qualittas, pós graduação em dermatologia pela Equalis e participação em vários eventos como Congresso, Simpósio, cursos, palestras , dentre outros, promovidos pela Qualittas e ANCLIVEPA. Atuou por diversos anos prestando Assistência Técnica e Extensão Rural, teórica e prática, com metodologia grupal, aos pecuaristas pela ACAR-GO (Associação de Crédito e Assistência Rural do Estado de Goiás) e EMATER-GO ( Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Goiás). É Diretor do Consultório Veterinário Popular e proprietário de uma loja de Produtos Veterinários: medicamentos, rações, vacinas e acessórios diversos para pet. Trabalhou como voluntário plantonista no Centro de Valorização da Vida (CVV) e no Hospital das Clínicas(HC) da UFG, fazendo palestras para os pacientes, sobre estilo de vida, alimentação saudável e mensagens musicais; participou de vários cursos de dança de salão com professores Jaime Aroxa e Carlinhos de Jesus; foi fundador da Academia de Dança Bolero Passos e Compassos: ministrou curso de dança de salão para pessoas carentes na Paróquia São francisco de Assis contribuindo para um crescimento físico, moral e espiritual. É sócio da Associação Nacional de Clínicos de Pequenos Animais e possuidor do selo de qualidade ANCLIVEPA -BRASIL.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui